A Galvani - Tempo e História

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


80 anos


A Galvani é uma empresa que teve sua origem na década de 30 como uma indústria de bebidas e uma empresa de transportes, em São João da Boa Vista, interior de São Paulo. Nas décadas de 1960/1970, especializou-se no transporte e no manuseio de fertilizantes e impulsionou seu crescimento com a implantação, a partir de 1978, do entreposto de Paulínia (SP), dotado de um desvio ferroviário e armazéns para granéis sólidos. Esse empreendimento viabilizou o transporte, via FEPASA (Ferrovia Paulista S.A.), do fosfato nacional produzido na região do Triângulo Mineiro e Catalão (GO) para as indústrias produtoras da Baixada Santista e também do chamado ABC Paulista.

A partir de 1983, a Galvani iniciou em Paulínia a implantação de um dos maiores complexos industriais de produção de fertilizantes do Brasil, envolvendo a fabricação de ácido sulfúrico, superfosfatos, granulação, mistura e ensaque de fertilizantes.

Em 1992, a empresa instalou-se em Luís Eduardo Magalhães (então Mimoso d´Oeste, distrito de Barreiras), no oeste da Bahia, inicialmente com uma fábrica de fertilizantes líquidos. Em seguida, vieram a primeira fábrica de superfosfato da Bahia, uma planta de granulação e a segunda unidade de sulfúrico do Estado, sendo, até hoje, a única indústria de fertilizantes da região.

Em dezembro de 2014, formou uma joint venture com a Yara, que passou a ter 60% das participações da empresa. Fundada na Noruega e com atividades no Brasil desde 1977, a Yara - uma companhia global com presença em todo o mundo e vendas para 150 países - oferece soluções para a agricultura sustentável e o meio ambiente.

Atualmente, realiza atividades de mineração, beneficiamento, industrialização e distribuição de fertilizantes fosfatados para contribuir com a produção de alimentos do Brasil. Possui unidades em São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso e Ceará.

A política de reinvestir sistematicamente os resultados obtidos em expansão da produção, melhoramentos contínuos e novas tecnologias, possibilitou a consolidação da empresa, que emprega diretamente cerca de 1.800 pessoas, entre próprios e terceiros, com um faturamento ao redor de R$ 720 milhões.